Tributo à Minha Mãe, 2a. parte

e assim foram assim se defendendo da melhor forma, fazendo novas empreitadas, haja vista suas habilidades e disposição para o trabalho.
Os pais queriam que todos tivessem melhores condições de vida.
Logo apareceu um cidadão com habilidade de buscar operários para as fábricas na capital. Primeiro emprego foi numa fundição de panelas de ferro.
Enquanto os pais trabalhavam fora a minha mãe ficava no albergue.
Logo apareceu outra sugestão e as coisas foram melhorando para eles. Havia muitas trocas de produtos entre São Paulo e o Rio Grande do Sul, especialmente Caxias do Sul, que com o surto de desenvolvimento que se apresentava, com a colónia italiana produtiva, se vislumbraram novas oportunidades de negócios. Pesquisas a olho foram realizadas! O Vovô resolveu montar uma pequena fábrica de botinas para os trabalhadores. Desfez-se do negócio porque era difícil conseguir matéria prima para essa atividade. Devido as constantes crises políticas no Brasil e economia se desorganizava célere. Vendeu seus pertences e foi ao Rio de Janeiro, onde resolveu montar novamente uma fábrica de calçados. A propaganda era de que bom lugar seria em Belo Horizonte, Minas Gerais. Lá se foram...
Montaram uma banca no Mercado Público e vendiam vários produtos, principalmente alimentos.
Estranharam o sistema existente entre a sociedade e o povo mineiro e logo retornaram a São Paulo. Dez anos de idas e vindas se foram.

Em seguida souberam através dos buscadores de mão de obra que no Rio Grande do Sul estavam doando terras a troco de mão de obra para desmatar e abrir estradas. Vieram!
Um cidadão de nome Emilio Priebe foi buscá-los em Santo Ângelo, na estação do trem, levando-os até a Linha Doutor Pederneiras. Aquerenciaram-se logo e depois foram a Vila Pratos, limítrofe com a Argentina. Lá haviam numerosos grupos étnicos, russos, poloneses, alemães, até gente vinda da China!

Logo em seguida abriu um loja comercial, que comprava e vendia produtos de primeiras necessidades. Levava a São Paulo e de lá trazia tecidos e artigos não perecíveis para o abastecimento das famílias.
Houve movimentações familiares, casamento da mãe, filhos, mudanças, novas perspectivas!

Casada montaram uma Ferraria onde fabricavam carroções daqueles do tipo reforçado para transporte de madeiras. Sucesso!
Depois de radicais mudanças de profissão e de hábitos declínio

Comentários

Postagens mais visitadas