domingo, 18 de dezembro de 2011

LOS SILENCIOS SE ACERCAN

A medida que el tiempo va rodando
los silencios se acercan y me cercan
son um pedazo de mi mundo a solas 
supervivientes de una sobra antigua/
también están perplejos pero agitan
el asta mensurable del olvido

su liturgia es de sabios / de prodigios
que ya nadie recuerda ni atesora / 
los silencios se asoman y nos miran
nadie como ellos logrará inventarnos
son el espejo azul de lo que somos
y la nada virtual en que nacimos

los silencios en tiempo de vendimia
tienen otro sabor / otra ternura
se dejan seducir por los adioses
y parpadean como los relámpagos /
los silencios se acercan y me cercan
para que pueda envejecer callado.

BENEDETTI, Mario."El mundo que respiro"


quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Estátua da Liberdade

Deve estar envergonhada do
 Pai Maior
Que quer a derrocada dos orientais donos
Da energia preta que nos move!
O azinhavre tomou de assalto sua cabeça.
De memória pouca não mais lembra dos
Profundos estragos causados onde põem
Os pés. Audaciosos!
Arrogância desmesurada;
Acionistas maiores da miséria humana
Que se espalha cada vez mais.
Muitos têm dólares entesourados embaixo
Do colchão, para futura garantia e assim
Vão financiando a presença da multicolorida
Bandeira, por todos os quadrantes da orbe!

'QUO VADIS?"

Escrito em 21.02.2003. Com a seguinte observação
ao pé da página: "Hoje os principais jornais do
mundo estampam na primeira página manchetes
sobre a iminência de uma nova guerra EUA x
IRAQUE, que dizem  "ter armas de destruição
em massa".


segunda-feira, 5 de setembro de 2011

África


Esta peça escultural foi imaginada e construída a partir da ideia em que hoje se encontra a África, com todos os seus problemas sociais, políticos, econômicos, guerras intestinas, etc.
O que foi o berço da civilização mundial há poucos séculos hoje abriga uma série de problemas...
Esta peça feita em aço fundido em alta temperatura assemelha-se muito ao mapa geográfico daquele continente.
Motiva-nos a muitas reflexões sobre o ser humano, suas desmedidas ambições em busca do poder temporal.
Riqueza que mantém ditadores oprimindo, humilhando seres  humanos tão violentamente que os torna "objetos", dependentes de tudo!


Claviculário ou chaveiro

Esta peça foi elaborada artesanalmente, com uso de máquinas, madeira reciclada para emoldurar a madeira de fundo; no meio três peças fabricadas pelo processo de vitro-fusão.
Esta peça, além de ser uma forma de recuperar e reciclar os materiais que para alguns tornou-se inservível, ao  criador tornar-se um excelente material de trabalho!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Sol de Agôsto!

Sol de Agosto tem uma especial característica em vista de sua coloração, de sua beleza indescritível. Prenúncio de primavera. Os bons fazedores (hacedores) de cutelaria, especialmente facas, adagas, espadas fazem a terminação do seu objeto, normalmente um de cada vez, com todas as facetas que devem ter um bom material. Além da apresentação deve ter um acabamento que chama-se têmpera. Coloca-se o aço pronto no fogo e quando atinge a cor do sol de Agosto, com uma tenaz joga-se em um tonel de água. Com o choque térmico fica acabado o produto. Na parte final dá-se o acabamento em forma de polimento. Portanto, aos que gostam de arte de colecionar objetos elaborados por cuteleiros ou cuchilleros como chamam nossos "hermanos" Argentinos terão, certamente, um objeto de rara beleza e durabilidade!
Mas não é só isso que o astro-rei nos proporciona. Na primavera o fenômeno do aquecimento faz brotar toda semente lançada a terra e dá o necessário vigor para que essas plantas se desenvolvam e produzam vigorosamente o esperado!


terça-feira, 2 de agosto de 2011

Experimentação Siberiana


Ele conheceu seu Czar, seus superiores, viajou mundo afora,

Discordou como sói acontecer com todo ser humano.
Trouxe com isso descontentamento.
Daí o levaram conhecer as estepes geladas, onde com muitos
colegas e amigos conheceram mais da vida e como bom
marinheiro aprendeu guiar-se pelos astros, a suportar com brio
todas as agruras e dificuldades inerentes àquelas condições
humanas.
Amigos também se fizeram pois, todos juntos estavam no
mesmo barco, melhor dizendo no mesmo "albergue".
Planos foram traçados, o amigo que da mesma cidade viera,
porém, logo lhes franqueou certas condições e de barco
foram pescar no lago gélido, em busca de peixes para a
trivial saciedade e não mais voltaram.
Certamente pensavam que em sua própria casa, embora de
extrema carência seria bem melhor.
Muito tempo em fuga, finalmente em casa, pouca terra,
anonimato, promessas de paraíso, promessas de nirvana,
promessas de embornal cheio, tão cheio que logo poderiam
voltar...
Era a América, a sul-américa...
Era o Rio Grande, Tucunduva.
Aqui, de tanto ver fartura, com a bondade povoeira tudo
logo se fraternizou e não mais  pensaram em voltar ao frio.
Estradas abertas com ajuda de todos foram feitas para o
trânsito das nossas riquezas. Ganhou a terra por escambo.
Criou abelhas, mostrou artes bélicas, e também as artes
nobres nos metais. Obras de arte fez. Fez tantas que para
os industriais foi mostrar o que sabia fazer, seus teares
foram consertados e com isso merecida aposentadoria e
todos puderam novamente vestir boas camisas.
Premiado foi pelo Governador Flores da Cunha, que
comenda lhe concedeu por honras e méritos,
quando nosso Estado um século completou de revolução
farroupilha.
De herança ficamos com seu atavismo.
Escrito em homenagem ao Avô Timofei Pereverziev!



quarta-feira, 29 de junho de 2011

Conciencia

La conciencia es ubicua
la siente a veces en el pecho
pero también está en las manos
en la garganta en las pupilas
en las rodillas en los pulmones
pero la conciencia más conciencia
es la que se instala en el cerebro
y allí ordena prohíbe festeja
y hasta recorre interminablemente
los archipiélagos del alma

la conciencia es incómoda
impalpable invisible pero incómoda
usa el reproche y las bofetadas
las penitencias y el sosiego
las recompensas y las paradojas
los gestos luminosos y libertarios
pero la conciencia más conciencia
es la que nos aprieta el corazón
y vaga por los canales de la sangre

BENEDETTI, Mario
El mundo que respiro.

sábado, 25 de junho de 2011

Precauções

Incautos, ambiciosos,
Desmesuradas vontades de rápida
Riqueza,
Buscam em recônditos facilidades
Logo são surpreendidos por
Aqueles que subjugam!
Utópico dizer que não existem
rapaces da consciência.
Faça-se ao largo como fazem os
bons timoneiros que evitam  as
Águas enlouquecidas pelos
Ventos.
Gestos elegantes de agradecimentos
tornam as pessoas livres e de bons
costumes!
É chulo ser quixotesco.
E da mesma forma ser caudatário.
E o mundo gira, gira...
____   ____   ____

"Badalava! Badalava! O grito dos sinos
entrava no ouvido dos viventes...
Como se uma tropilha pisoteasse o
Pensamento, machucando o coração".
LESSA, Barbosa. Rodeio dos Ventos

O Rádio

O Severo comprou um aparelho de rádio,
O que era privilégio de poucos, cerca de sessenta anos.
Instalado o aparelho com todos os requisitos da boa
técnica, ouviram toda sorte de notícias, músicas do Brasil
e do mundo!
Quando o vendedor-instalador, após dar todas as
orientações e instruções ao Severo, foi-se.
O rádio parou de funcionar.
"Laninho vá buscar o Clemente agora! O rádio só funciona
quando ele está perto. Acho que passou a rasteira em nós."
O Severo esqueceu que girando o botão à direita liga e a
esquerda desliga;
Esqueceu também que as válvulas demoravam para
esquentar...
E o capelinha está perfeito até hoje.




Sedução

Alguns se deixam seduzir
Pela insignificância de poder,
Medíocre na maioria das vezes,
E não mais arranjam disponibilidades
E sempre estão disponíveis...
Em infecundas ações.
Graça!
Ingentes amizades se fazem próximas
E olham tão somente, cândidos
e complacentes, frutificar o gotejamento
da nobre garoa,
De mais valia, que ajudará na formação
de caudalosos mananciais, e se
aproveitados
Racionalmente
Produzirão energia de qualidade.
Que os amplexos de derrotas e de
vitórias tenham o mesmo vigor!

Pontas de Lanças

A quem molestaram? Na defesa ou no ataque?
Carcomidas pelo sal da terra e pelos milhares de decêndios.
Defenderam legitimidades, direitos à vida, à propriedade, do
ir e vir, de quem?
Simbolizam poder!
Dos que tinham a primeira fundição em São João Batista.
Eram eles!
Eram donos da cultura de todas artes;
Ensinaram esculpir no pau-ferro santos
Cujos formões lhes deixaram sem alma,
Esvaziaram-nos e depois a devolveram  em forma de
Ouro, prata, diamantes e ametistas.
Certamente estão entesouradas na casa do Pai Maior,
Representante onipresente das falas daquele que dita
Regras para a natureza se completar.
Os herdeiros naturais esmolam-se, envergonhados
Da mísera condição  humana de vendedores de
Cestos e de balaios.
Onde são guardadas as lembranças tímidas do
"Esta terra tem dono."
Querem beatificar o índio e depois vender
Medalhas santificadas.
Guardam-se sós as pontas de lanças,
Guardiãs de sua própria história e eventualmente
Nos levam ao passado numa carruagem de
Indagações e de sonhos, puxada por alazões
Alados.
Algum dia alguém nos contará mais!
Sepé Tiaraju onde estás?

"Me gustan las gentes simple... as que conmigo
Compartem los milagros."
CABRAL, Facundo.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Carta

Saudações:

... as ideias são o único terreno de apoio a uma obra literária. E você não tem tempo para elas. Nem para ler nada afora o que esteja em moda.
Para conselhos veja Zenão, Cleanto, Epicuro. Este diz uma coisa que você deveria assimilar, caríssimo sobrinho: "A ira desgovernada gera loucura".
Corra até aquecer-se, tome banhos frios, coma pão, coma figos secos, beba água da fonte.
Lembre-se que a embriaguez não passa de uma forma de loucura propositadamente assumida.
Não curta a crueldade dos poderosos. Não provoque a fúria dos mais poderoso de todos. Nada disso. Faça-se ao largo, desviando-se como o timoneiro hábil evita o mar picado e rodeia as borrascas.
A verdade é que os escritores nunca devem chegar perto demais do poder. Anseiam para que a realidade atinja o nível da arte, por isso dão absurdos conselhos.
É melhor sonhar e escrever sobre o passado, como está fazendo na "Farsália".
Epicuro nos aconselhava meditar sobre a morte, com isto convidava-nos a meditar sobre a liberdade. Sabe como Catão morreu; sem dúvida saberá você como morreu Cipião, genro de Pompeu? Um vento forte impeliu-lhe o navio para a costa da África. Vendo que ia cair nas mãos dos inimigos apunhalou-se.
Quando perguntaram onde se achava o comandante; respondeu: "Tudo bem com o comandante". E era assim, pois conquistara mais do que um inimigo, vencera a morte, escapara à tirania, ERA UM HOMEM LIVRE.
"Adeus".

Carta escrita por Sêneca a Lucano, seu sobrinho.
"A Conspiração", Bloch Editores.



Aleijadinho

Fato verídico acontecido na Vila Nhu-Porã, passagem de trens, em São Borja, há cerca de trinta e três anos, mais ou menos, no Café do Osso.
De retorno de São Borja, o Seu Marcos Ramborger deu uma paradinha com seus filhos - eles plantavam suas lavouras nas cercanias, próximo à Coudelaria do Rincão - naquele Bar, pois era um lugar da melhor qualidade para saberem das novidades e saborearem alguns quitutes e obviamente acompanhamentos.
Quando estacionavam o veículo em frente ao Bar, havia no parador para amarrar cavalos um cidadão encostado, que andava de muletas, pois havia perdido uma perna, por excesso de bebedeira, nos trilhos de trem e para que não perdesse a estética costurou uma bota de militar por cima da bombacha fazendo-se fisicamente perfeito.
Esqueceu-se disso talvez, e levou a mão para cumprimentar o seu Marcos e nesse ínterim desequilibrou-se, caindo de forma surpreendente. Torceu justamente a perna que portava a bota, que indicava perfeição física e o amigo que receberia cumprimentos começou atacar-se dos nervos gritando tresloucadamente por socorro. "O homem quebrou a perna, socorro, acudam, vamos levá-lo ao hospital com urgência" e ninguém se mexeu para isso. Todos os presentes desatinados soltaram espalhafatosas gargalhadas e o Seu Marcos ficou furioso pelas irritantes e insanas gritarias.
Somente ele não sabia que o homem não tinha uma das pernas e vivia bem assim, como quis o destino!
A gritaria geral continuou por momentos enfurecendo mais ainda o Seu Marcos, em meio a vergonha porque passou, saiu de fininho e nunca mais tocou no assunto.

"Não procures amigos sem defeitos, pois assim não terá qualquer amigo na vida. E não procure defeitos nos amigos senão, pouco a pouco, ficará sozinho." (Alfonso Milagro)

terça-feira, 14 de junho de 2011

Aspectos de Luziânia

Modernos e lindos pontos de espera de ônibus que fazem as linhas citadinas! Espaçosas, feitas para abrigarem os usuários confortavelmente. 

Cidade de Luziânia, Goiás

Centro Cultural de Luziânia, Goiás. Obra planejada pelo eminente Oscar Niemayer. Teatro, cinema, biblioteca e espaço aberto para manifestações culturais e para brincadeiras de crianças e adultos. Situado num local privilegiado da cidade. Um quarteirão inteiro e nenhuma folha verde! Parece-nos uma ironia, numa época em que a moda é verde, é plantar alguma coisa, nem que seja uma panela cheia de amor!

Pilão em madeira, Museu de Luziânia-GO

Pilão manual, para socar cereais, mandioca, milho, descascar certos produtos como o arroz. Aparelho primitivo, mas utilizado até os dias atuais. Esta peça tem uma característica peculiar, pois foi feita a base de formão. Estilizado, parece ser de um indígena misto de profeta. Este museu tem muitas curiosidades. Falta um pouco mais de organização, mas de qualquer sorte, quem for até Luziânia poderá ver muitas fotos, peças antigas, aparelhos, etc.
Posted by Picasa

A Guerrilha de Três Passos-RS...Impressionante Relato...












Posted by Picasa

ENTRE IDÉIAS E CIDADES | Eduardo Galeano

ENTRE IDÉIAS E CIDADES | Eduardo Galeano

sábado, 28 de maio de 2011

Joelmir Beting

Simplesmente para ficar na pasmaceira geral e irrestrita! Vale a pena ler para saber o que acontece perante a tragédia de Teresópolis e outras!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

quarta-feira, 11 de maio de 2011

No Céu

Tocou, estridente, maravilhosa invenção de
Graham Bell
Não era Ícaro
Também não era sonho
Era Marco Aurélio.
Que dizia estar o "céu de brigadeiro"
Como requer o Mestre Arquiteto
De todos os mundos e de todas as artes.
Belezas e singelezas em tudo!
Em todos os lugares sente-se a harmonia
do chão com o universo.
Do céu vislumbra-se maravilhas da
Natureza e como também testemunhamos
Uso indevido das modernas técnicas
da natureza humana dilapidando patrimonios
naturais;
Lá do alto é possível planejar todo
nosso futuro quando estivermos harmonizados
com a força onipresente do Pai da Natureza.
Somos então pequenos deuses
Do nosso próprio destino!
Queres voar mais?

"Não sei onde estás.
mas sei que onde estás
ao teu lado estou".  Rodenbuch.


sábado, 30 de abril de 2011

25 anos da Loja Sabedoria, Força e Beleza n° 93.

Participamos das comemorações dos vinte e cinco anos de fundação da Benemérita  Loja Maçônica Sabedoria n° 93.
Marcante o evento, pois conta com enorme acervo histórico neste período. Toda uma trajetória sendo construída tijolo a tijolo, imitando a construção simbólica das pirâmides. A História se repete em outro nível e em outra escala. O objetivo é a elevação do ser humano, homens e mulheres, seu interior sendo burilado, com faz o artesão da pedra, que vai, vagarosamente, esculpindo e aparando arestas da sua obra; vai se utilizando das ferramentas mais elementares para o embelezamento da sua produção. Assim é, e foram estes 25 anos de labuta em favor da melhoria da sociedade, da familia, dos jovens, dos filhos e dos netos, e também dos avós, dos da terceira idade, os quais devem receber nosso maior  carinho, pois é dalí que saímos!
O amor a causa não é um amor cheio de adjetivações, é inexplicável. Parece-nos que estamos ligados a um cordão de prata com as forças e as energias que movem todos os universos e na ínfima escala somos os átomos desta grande explosão humana.
Muitas vezes, porque não dizer na maioria, os homens é que causam os maiores estragos, pela sua excessiva sede de poder, de mando e  econômico.
Eis aí que essa filosofia vem ou está aí há séculos para nivelar as consciências dos homens no sentido de perseguirem o que é bom e produzirem tudo o que possam em favor da melhoria da qualidade de vida dos nossos semelhantes.
Sabedoria para caminharmos por lugares sem os perigos que a imprudência nos coloca à frente, beleza para adornarmos tudo e todos os que estão ao nosso redor, nossa família, nossos amigos, nossos vizinhos e força moral e intelectual para que possamos perscrutar os mais recônditos da nossa alma e termos o maior equilibrio possível para usarmos adequadamente as medidas que o construtor utiliza para suas obras: nível, prumo, compasso e o esquadro, que simbolicamente medem nossas atitudes e nossos desejos.
Fraternidade para nós todos!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Passeio


Sexta-feira! Que lindo, fizemos uma passeio maravilhoso; fomos andando, andando, fazendo poéticas interpretações sobre o que veríamos, o que sentiríamos eu e minha esposa, ao visitarmos um amigo com letras maiúsculas, daqueles amigos sem interesses, aos quais não se pede dinheiro emprestado, não se pede um aval e nem fiança!
Vimos a preservação da natureza sendo levada a sério, mesmo com a ameaça da construção de uma hidrelétrica binacional, Brasil-Argentina.
O sítio Urú do amigo Benno está situado a cerca de 70 metros, no topo de um morro, com uma visão maravilhosa, onde vimos e sentimos o cheiro de mato e da água natural que corre por  dentro de uma canalização por gravidade, puríssima. Abundância...
E depois dos amplexos fraternos começamos a colocar em dia nossas conversas ciosamente guardadas no baú das boas coisas. Lembramos-nos dos idos tempos em que as coisas não andavam bem e da evolução a que chegamos na parte tecnológica. Existe, embora o amigo esteja lutando herculeamente contra uma doença que o persegue implacável, uma perfeita integração entre o homem e as natureza. E, essa mesma natureza que o ampara lhe dá o ânimo e a força para prosseguir sua jornada com altivez de um bravo!
Tivemos então um dia cheio, voltamos com alegria, fartos de termos nos saciado de uma fome de rever e consolidar uma velha amizade.
E dizemos que as vezes precisamos nos despojar de certos materialismos hodiernos e interagirmos um pouco mais com os nossos semelhantes, pois ninguém é tão pobre que nada tenha para dar e nem tão rico que tudo possa recusar!

terça-feira, 29 de março de 2011

'Em nome do pai e da mãe"

Uma coisa é certa: os pais são cúmplices do crime dos filhos

Não é preciso entrar em detalhes: todos estão por dentro da tragédia que aconteceu nos Estados Unidos, quando dois meninos de 11 e 13 anos, dispararam contra os colegas na saída do colégio, matando quatro alunas e uma professora. Dispensam-se os detalhes. A discussão resume-se agora numa unica pergunta: por que?
Múltiplas respostas. Porque muitas famílias guardam armas em casa, acessíveis à curiosidade infantil. Porque os meios de comunicação glamourizam a violência e banalizam a morte. Porque os pais trabalham demais e não tem tempo de acompanhar o crescimento das crianças.Todas as alternativas estão corretas, mas uma delas é infinitamente mais relevante do que as outras. Todo pai e mãe é cúmplice do filho.
Tema delicado , esse. Uma mãe que tenha um filho bandido tem culpa? Um filho ladrão, um filho corrupto, tem culpa? Seria injusto responsabilizar os pais por um destino que não é moldado apenas pela educação, mas também pela competitividade, pelo desemprego, pela depressão, pelas más influências, pela impunidade e por outras armadilhas sociais. Também somos frutos do meio. Mas nada é mais decisivo do que o exemplo de casa. Aquele mundinho entre quatro paredes em que passamos a infância, em que os membros da família formam uma espécie de sociedade anônima, tem força, poder de persuasão e carga emocional suficientes para determinar o futuro de qualquer cristão. É ali, nos primeiros anos de vida, que se determinará o quanto podemos ser corrompidos pelo que vem de fora e o quanto de integridade sobreviverá.  E apesar de isso ter a concordância teórica de todos, na prática, tem gente deixando as crianças se virarem sozinhas, com a desculpa de estimular sua independência, quando na verdade estão
 empurrando-as para uma prisão.
Não necessariamente com grades e algemas, mas sim numa prisão cultural. E perpétua.
Tem gente que faz olho branco para filhos que afanam dinheiro, que matam aulas, que são agressivos. Acham  que isso passa, é coisa de guri. Tem gente que acha educativo criticar o filho na frente dos outros, debochar de seus erros,, usá-lo como bobo da corte para distrair os convidados. Tem pais que nunca festejaram um aniversário, não comparecem às reuniões da escola, não estimulam a leitura. Tem pais que baixam o nível, contam vantagens, valorizam trapaças e picaretagens e assim vão formando sua imagem de super-heróis. Todos eles tem uma tremenda culpa no cartório, sim senhor, e a ausência de casa não serve como atenuante. Maternidade e paternidade se exerce de onde se estiver, 24 horas por dia.
O parto é o lado mais fácil dessa história, mas muitas mães dão por encerrada, ali mesmo, no hospital, a sua missão.
Por egoísmo, preguiça ou ignorância, enchem a boca para dizer "meu filho não é propriedade minha, é filho do mundo". Poético, mas inconsequente. Eximir-se da responsabilidade de  criá-los com amor e decência deveria ser crime previsto pelo Código Penal.
Antes de jogá-los no mundo ao qual pertencem, devemos armá-los não com pistolas automáticas, mas com um mínimo de conhecimento sobre as regras básicas de convivência e alguma noção sobre valores. Dá trabalho? Dá, mas dá certo.
Martha Medeiros (este artigo foi publicado em Zero Hora, 01.04.1998)


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Vernáculo em uso

Fico triste e a o mesmo tempo, também penalizado com a pouca valorização da nossa língua pátria! Notadamente a classe que está subindo degraus na escalada economico-social. Não teve tempo de preparar-se para novos desafios, especialmente os profissionais e menos o da educação e da cultura. A maioria tendo de lutar pela sobrevivência não teve essas oportunidades. Muitas correções de percurso terão de ser feitas, mas com sério planejamento e não o simplesmente eu vou fazer!
Quase diariamente ouço os maiores "coices" gramaticais proferidos por "otoridades políticas" que dói nos ouvidos. Exemplifico: "VAMOS ESTAR FAZENDO uma licitação que vai trazer inúmeros benefícios a maioria da nossa população"! "ENQUANTO GOVERNO VAMOS ESTAR LICITANDO INÚMERAS OBRAS" E por aí vai um senfim de gerúndios - abaixo o gerúndio - este tal de gerúndio tem trazido um atraso imensurável na nossa deficiente forma de comunicação.  Para isso vejam-se as provas do ENEM. O que sai de lá é inacreditável. A  juventude lê pouco o quando o faz é com muitas deficiências, a maioria não sabe o que leu e menos ainda fazer uma análise interpretativa. Escrevo isso por experiência própria. É difícil? É.
Mas vamos ao que nos mais interessa que é o tal vernáculo!
Na Enciclopédia Brasileira Mérito, vol. 20, pág. 295 diz o seguinte: "VERNÁCULO, adj. - Lat. Vernaculus. Nacional; próprio da região em que está; correto, genuíno, puro, sem mescla de estrangeirismo, (em se tratando de linguagem); que mantém pureza e correção no falar e no escrever (em se tratando de pessoa)./ S.m. Idioma próprio de um País."
Aprendi ler alguma coisa por necessidade própria, por aconselhamentos de Pais e amigos deles. Meu sogro, que nos deixou prematuramente, foi uma pessoa que residiu toda sua existência no interior, mas era de uma cultura e de um saber de causar inveja a muitos! Ele martelava sempre: Quem não nasce em berço de ouro, rico, tem de educar-se, tem de ler e aprender a conviver com quem sabe mais. Assim poderemos buscar o nosso espaço, onde por outros meios e métodos não conseguiríamos galgar. Buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á;  pedi e vos será dado! 

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

FAINA

Hoje fiz coisas inusitadas e não cansei! Fiz o que pude, sonhei, sonhei, conversei com pessoas muito deprimidas, muito, mas muito para baixo, mas com a experiência que ao longo dos anos venho acumulando, não me abalo facilmente. Procuro mostrar outros caminhos que talvez nunca haviam sido palmilhados...
Precisamos e devemos parar para pensar ou repensar certas atitudes. O mundo não só nosso! Também
conversei com minhas orquídeas, que exibem-se despudoradamente, desafiam nossos olhos com sua inacreditável e maravilhosa beleza. Algumas tem perfume inimaginável.
Mas, desviei um pouco da minha ideia principal, que seria o de dar um pouco de atenção aos menos aquinhoados pela gloriosa mãe natureza! O Supremo Criador de Todos os Universos, nos colocou no mundo com muitas diferenças, com muitas torres de Babel para interpretarmos.   Temos sido esculpidos pelo tempo, com significativas diferenças, éticas, morais, financeiras, familiares, e muitos outros itens, como o não ter tempo para nada, o não gostar de saber de nada, de nada ler, de nada ouvir, e de nada fazer. E de não se relacionar com ninguém. Platão analisou o homem dentro da caverna... há quatro mil anos e essa caverna cada dia está mais saliente em nossa vida hodierna!
Para que as coisas comecem mudar é imprescindível que mudemos de rota, de pensamento, e traçamos uma meta. Visualizar mudanças mentais - teoria e prática - é o passo inicial. Toda caminhada começa com o primeiro passo!
É preciso vislumbrar crescimento em todos os sentidos. Se não tivermos patrimônios para deixar de herança
deixemos educação para os nossos, deixemos orientação sólida e eles serão abençoados e agradecidos por terem tido essa grande benesse.
Busque meu dileto leitor a "Mensagem a Garcia". Com certeza  dali sairão  novos acréscimos para interpretarmos de forma mais abrangente novas formas de tomadas de posições!
Até mais ver!