JOSE DE SAN MARTIN




SAN MARTIN, José, nasceu em 25 de fevereiro de 1778 na vila jesuítica de Yapeju, do outro lado da fronteira brasileira, próximo a Alvear e faleceu a 17 de agosto de 1850 na Bolonha, Espanha.
Foi a Espanha criança, tendo dote e liderança foi servir o exército espanhol. Obteve distinções como jovem oficial do exército espanhol em luta contra os franceses, na Batalha de Bailen. Dadas as suas qualificações técnicas foi promovido por merecimento ao posto de Tenente-Coronel.
Em Santa Rosa, temos o Regimento SAN MARTIN, 19° RCMEC; numa troca de gentileza entre os governos do Brasil e da Argentina, face a distância que nos separa ser de pouco mais de trinta quilômetros, existe um grande congraçamento e troca de visitas e treinamentos militares entre os dois países, onde o clima de amizade e recíproca fraternidade é muito saliente.

A biografia do General José de San Martin é cheia de fatos inusitados. Milhares de "plazoletas", prédios, ruas, avenidas ostentam seu nome num inacreditável reconhecimento tanto dos governos como do povo por onde andou e militou suas grandes aspirações libertárias.

Um evento que merece ser lembrado deu-se no dia 27 de janeiro de 1949 por ocasião da Instalação da Assembleia Nacional Constituinte o Presidente Don Juan Domingo Perón fez o seguinte pronunciamento:

"DIOS NO HA SIDO AVARO CON EL PUEBLO ARGENTINO. Hemos saboreado los momentos de emoción exaltada y hemos gustado las horas tranquilas de sedimentación jurídica.
La crusada emancipadora y la era constituynte son altissimo exponente de la creación heróica y de la fundación juridica. Permitam-me que después de agradecer  la invitación que me habeis hecho de asistir a esto tan transcendental para la vida de la República, eleve mi corazón y mi pensamiento hacia las regiones inmarcecibles donde mora el genio tutelar de los argentinos, el General SAN MARTIN.

San Martin es el heroe maximo, heroe entre los heroes y padre de la Patria. Sin el se hubieron diluido los esfuerzos de los patriotas, quiza no hubiera existido el aglutinante que dió nueva conformación al continente americano. Fué el creador de nuestra nacionalidad y el libertador de pueblos hermanos.
Para el sea nuestra perpetua devoción y agradecimiento".

"Seamos libres y lo demás no inporta nada". San Martin.

"Administrar recta justicia a todos, recompensando la virtud y el patriotismo, es la norma que reglará mis acciones". San Martin.

Além das funções militares, entregou-se à atividade política, fundando, com outros companheiros, a Loja maçônica Lautaro, sociedade secreta de estilo carbonário, transformada na verdadeira matriz da independência argentina.
Interveio nos destinos políticos do país pela primeira vez, a 8 de outubro de 1812, para decidir o conflito surgido entre o triunvirato no poder e poderosos grupos populares liderados por Monteagudo. A revolução de 8 de outubro fixou a implantação, na república, de seus princípios políticos, preconizados na Loja Lautaro.
Sempre atento ao recrudescimento das forças espanholas que se organizava na reconquista dos territórios perdidos aqui na América do Sul, A flotilha inimiga estava fundeada em Rosário; lançou-se ao combate alcançando a primeira vitória significativa na Batalha de San Lorenzo, em janeiro de 1813.

Muitos acontecimentos em várias partes , como os do Perú, que foram um sopro de rebelião no resto da América espanhola, onde ao norte outra figura da independência Simon Bolívar, sustentava longa campanha. O exemplo do Perú, sublevou os patriotas do Equador e um dos generais de Bolívar, SUCRE, pediu-lhe ajuda para o levante de Guayaquil. Enviou de Lima uma divisão que derrotou os realistas em Rio Bamba, que, com o triunfo de Bolivar abriu a Sucre o caminho da vitória, com a qual se estabeleceu a independência do Equador.
A 26 de agosto de 1822 realizou o encontro de Guayaquil com Bolivar e ao voltar a Lima convocou um Congresso Constituinte, ao qual pediu que considerasse concluída sua tarefa de libertador, e aceitasse sua renúncia a todos os cargos. O Congresso concedeu-lhe a renúncia e conferiu-lhe o título de Fundador da Liberdade do Perú.
Em seguida partiu para o Chile, de onde foi para sua chácara em Mendoza.

Quase esquecido, retirou-se, indo para a Europa, onde viveu modestamente, assistido pela filha.

Suas histórias são riquíssimas, pois a bibliografia é muito grande. Não se deslumbrou com os brilhos e os fulgores do triunfo, nem se desalentou na hora amarga da derrota. Foi confiante no destino e em "DIOS TODO PODEROSO Á QUIEN CONOZCO COMO HACEDOR DEL UNIVERSO".

Fontes:
1 - Vida de Estadistas Americanos II - Globo; pgs. 149/188;
2 - San Martin, Editora Interamericana, Bs.As. Gal. Don Nicolás Accame, Enciclopédia Militar Americana;
3 - Enciclopédia Delta-Larousse do Brasil, pg. 6083, 1971
4 - Libertadores da América, A Maçonaria e a Emancipação dos Povos. A.Tenório de Albuquerque, Malhete 1959.
5 - Resumo Bibliográfico ou Pequena História do Grande Herói Argentino JOSE DE SAN MARTIN; out.de 1993, documento arquivado na Biblioteca do Exército Mal. Castelo Branco; 19° RCMEC Santa Rosa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MANIFESTO PELA PAZ MUNDIAL - UNESCO

A MAÇONARIA E O PATRONO SÃO JOÃO DA ESCÓCIA

Coronilha