quarta-feira, 13 de novembro de 2013

domingo, 3 de novembro de 2013

Professora fala verdade que ninguém quer ouvir.

http://www.youtube.com/v/L18Cuxt5dnM?version=3&autohide=1&autohide=1&feature=share&showinfo=1&autoplay=1&attribution_tag=tXqVn9Bc_0sbCj6e7JZoig

terça-feira, 1 de outubro de 2013

ARROZ DE CARRETEIRO, do poeta e payador gaúcho JAIME CAETANO BRAUN

Arroz de Carreteiro

Tem muita gente de não sabe ainda como fazer, outros querem aperfeiçoar, exagerando nos temperos
alho, cebola, pimentão, salsa, manjericão, e outras coisitas mais.
Mas os versos que seguem são o que temos de mais puro costume, em cujo texto 
não há carências de interpretação,pois a sabedoria campeira do autor
nenhuma lacuna deixou...entonces bom proveito!

Nobre cardápio crioulo das primitivas jornadas,
Nascido nas carreteadas do Rio Grande abarbarado,
Por certo nisso inspirado,o xiru velho campeiro
Te batizou de "carreteiro", meu velho arroz com guisado,

Não tem mistério o  feitio dessa iguaria bagual,
É charque, arroz, graxa e sal
É água pura em quantidade.
Meta fogo de verdade na panela cascurrenta.
Alho, cebola pimenta isso conforme a vontade.

Não tem luxo - é tudo simples, para fazer  um carreteiro.
Se fica algum marinheiro de vereda vem à tona
Bote se houver - manjerona, que dá um gostito melhor
Tapeando o amargo do suor que às vezes vem da
Carona.

Pois em cima desse traste de uso tão abarbarado,
É onde se corta o guisado  ligeirito - com destreza.
Prato rude - com certeza,
Mas quando ferve em voz rouca 
Deixa com água na boca a mais dengosa 
Princesa.

Ah! Que saudades eu tenho dos tempos
Em que tropeava
Quando de volta me apeava 
Num fogão rumbeando o cheiro
E, por ali - tarimbeiro, cansado de bater casco,
Me esquecia do churrasco saboreando um carreteiro.

Enquanto pouso cheguei de pingo pelo cabresto,
Na falta de outro pretexto indagando algum atalho,
Mas sempre ao ver o borralho onde a panela fervia
Eu cá comigo dizia: chegou de passar trabalho.


Por isso - meu prato xucro, eu me paro acabrunhado
Ao te ver falsificado na cozinha do povoeiro
Desvirtuado por dinheiro à tradição gauchesca,
Guisado de carne fresca, não é arroz de carreteiro.

Hoje te matam à mingua, em palácio e restaurante
Mas não há quem te suplante,
Nem que o mundo se derreta,
Se és feito em panela preta, servido em prato de lata
Bombeando a lua de prata sob a quincha da carreta!

Por isso, quando eu chegar,
Num fogão do além-vida,
Se lá não houver comida já pedi a Deus por consolo, 
Que junto ao fogão crioulo,

Quando for escurecendo, meu mate-amargo sorvendo,
A cavalo nalgum tronco, escute, ao menos, o ronco
De um "Carreteiro" fervendo.  




O caminho para a 3ª Guerra Mundial (partilhar esta informação pode salva...

sábado, 10 de agosto de 2013

Flagrantes da 25ª Mostra dos Artistas da Terra


Valdir Fester e Anatolio e a obra de arte. Escultura em ferro e madeira de pau-ferro


Anatolio e a escultura, Mapa Primitivo da América


Vice-Prefeito na abertura, saudando os artistas e visitantes. Dr. Benvegnú, Anderson Farias e o Pres. da 
Aplas, Sr. Valdir Fester!



25ª Mostra dos Artistas da Terra; Santa Rosa-RS.

Trofeu recebido ontem a noite; a mim foi entregue pelo Sr. Dr. Benvegnú, vice-prefeito da cidade na vernissage! Obra que expus é uma escultura em ferro equilibrada numa base de madeira pau-ferro, tudo reciclado.

MARCELO LOUREIRO LA CAU

sábado, 29 de junho de 2013

Saint Clair o homem misterioso

Lá pelos idos anos de 1959/63 meus pais tinham um comércio no centro da cidade e era uma espécie de secos & molhados como diziam antigamente e vendiam somente coisas boas e artigos de primeira linha, iguarias vindas da Argentina e da Europa, conservas, peixes, frutas secas e bebidas.
Virou um ponto de encontro depois das 18h00 dos intelectuais que gostavam de trocar impressões sobre os acontecimentos culturais na cidade e da capital e com certeza no resto do mundo; fervilhavam as noticias da captura de Adolf Eichmann, procurado por crimes de guerra, cujo evento deu-se em Lanuz, província de Bonaires! E muito quietamente Mengele!
Mas o que desejo vos resenhar é que neste comércio seguidamente aparecia um cidadão impecavelmente trajado de branco, notava-se que era linho de primeira qualidade, com chapéu panamá e muito educado, discretamente participava dos embates coloquiais dos presentes; ouvia mais e falava menos. Advogados, dentistas engenheiros, contadores e outras profissões eram bem chegados nas reuniões etílicas pós-dezoito horas.
Mas de retorno ao principal, como era jovem à época a curiosidade me movia para aprender algo ou quem sabe até desaprender tudo! Mas enfim o nome do misterioso: Saint Clair! E aqui a maioria de "pelos-duro" crioulos da terra tinham a língua presa e poucas leituras como o lula, falavam 'SANCRÉ'. Sancler em francês e nos socorríamos do professor Fioravante Pedrazzani, cabedal de conhecimento, inigualável em hostoriografia e linguística, cuja escola Machado de Assis era bem em frente, doutro lado da rua, antigo hotel Joner. Que lindo isso um hotel se transformar em escola para encurtar orelha de burricos como dizem meus amigos lusitanos!
Passados muitos anos de tristezas e mais de alegrias lembrei-me do Sancré, temido por uns devido ao seu misterioso proceder; hoje chamamos isso de educação de embaixada, protocolo palaciano, aliás está faltando muito disso hodiernamente. Perguntei-me a mim mesmo que fazia o Saint Clair para ter esse estatus de gentleman?  Aqui era e é porto seguro para estrangeiros ganharem boas rendas e bons resultados em todos os empreendimentos.
E aqui vieram fugitivos de vários países, aqui vieram os espíões mossad atrás de sobras de guerra...
Observemos, é necessário!

Dilma repete façanha de Collor: a aprovação a seu governo despenca 35 pontos em três meses — 27 pontos em três semanas; hoje, só 30% o consideram bom ou ótimo; índice de ruim-péssimo chega a 25%. Então Dilma já era?

Dilma repete façanha de Collor: a aprovação a seu governo despenca 35 pontos em três meses — 27 pontos em três semanas; hoje, só 30% o consideram bom ou ótimo; índice de ruim-péssimo chega a 25%. Então Dilma já era?

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Aniversário do Guilherme Alves dos Santos da Cruz e músicos

Guilherme, homem simples do campo comemora 64 anos
e sua aposentadoria. 
Reuniu expressivo números de amigos para comemorar isto,
com toda a fidalguia inerente a simplicidade campestre.

Rincão de Santo Ignácio de Loyola, santo antonio das missões.



Esta comunidade é muito peculiar, foi fundada em 1968, conforme
gravado na cruz de lorena, em madeira, fincada à frente!
O local é utilizado (ou era) para pequenas cerimonias
religiosas naquele rincão, outrora próspera comunidade;
hoje quase deserta em vista de os aposentados irem 
para as cidades próximas e os jovens não mais desejam
permanecer longe das cidades e dos colégios!
O ícone do santo Ignácio de Loyola está lá, no maior
silêncio, sepulcral na acepção da palavra.

Como funciona o Brasil - Impostos

terça-feira, 28 de maio de 2013

Eu e as Bíblias, religiosas e financeiras.


Trabalhando para uma grande empresa financeira tive a oportunidade de receber verdadeiras aulas de aplicação de dinheiro direcionado para aumentar a produtividade rural.. Desde o inicio do crédito rural, quando era exclusividade do Banco do Brasil S.A.nosso primeiro mestre  contou com detalhes a evolução creditícia rural e o apoio que os  bancos devem proporcionar aos produtores de alimentos, fui mandado a Porto Alegre para participar de um treinamento teórico e prático; um curso de investimentos nas área rural, que foi ministrado por técnicos do mais alto gabarito no Brasil, dentre esses o especial professor Dr. Victor Konder Reis um especialista contratado pelo  Banco Central  e professor de várias universidades na área econômica, ministrou em duas semanas de reclusão voluntária. O crédito rural funciona como o óleo diesel nos motores das colheitadeiras e outros equipamentos; tem de girar o ciclo preparar, plantar, colher e vender.Fiquei deveras entusiasmado, talvez pela minha jovialidade à época, em me especializar nessa área; em facilitar a liberação para os pequenos, os mais capacitados, os mais organizados, mesmo pequenos.  Logo, confesso que sem medo de errar ajudei muito nessa área mesmo sabendo que o dinheiro estava apenas sendo gerenciado e direcionado a quem produz. Depois de anos troquei de patrão e fui novamente para outro conglomerado financeiro, onde reativei - com as devidas orientações e cursos patrocinados pelo Banco as modernas técnicas de análise de projetos e celeridade na liberação!Uma coisa puxa a outra, hoje tenho dois filhos que fazem a mesma coisas...

Terminado nosso ciclo do Banco Central, fomos liberados para volta as casas, na parte da tarde de sexta-feira, depois do almoço de entrega de certificados.
Com a passagem de volta na mão, fui até o centro da cidade de Porto Alegre garimpar livros nas livrarias do centro, depois de entrar e comprar alguns livros proibidos, que estavam embaixo dos balcões, Osny Duarte Pereira, que denunciava as roubalheiras e escândalos na amazônia, biografias de Chê, As Multinacionais no Brasil de Kurt Mirow, etc. Mas vai daí que de tanto bispar pelas prateleiras apareceu o dono de uma livraria e traçou uma conversa comigo. Me disse que conhecia as pessoas que entravam e compravam só pelo jeito com que tratam dos livros..Logo me perguntou se eu tinha alguma restrição com a Bíblia, claro, que disse que não! Porque essa pergunta? Tenho centenas de Bíblias na minha livraria e não tenho vergonha de dizer que nunca vendi uma bíblia. Mas não estou entendendo onde o Senhor quer chegar; olha  quero lhe dar de graça algumas bíblias que vieram da Polônia pois além de serem difíceis  de serem lidas...
Em vista do episódio resolvi aceitar um presente para distribuir aqui. Trouxe 20 bíblias em polonês e foi difícil encontrar os receptores, mesmo sendo gracioso.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

고래야 - 하얀 날개 (Asa Branca)

Asa Branca interpretada por japoneses. Lindo demais. Vale a pena ver e ouvir. 3min66s. Nossa arte sendo exportada e valorizada no estrangeiro.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

ASSIM EU VEJO A VIDA


A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
Mas deixou seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
Dos valores que vão
Desmoronando.

Cora Coralina, hoje aniversário de sua passagem...para Oriente Eterno!

quinta-feira, 7 de março de 2013

#Missões Jesuíticas#.wmv

Filmete muito interessante - história da colonização pelos Jesuitas no sul da América. Antoine Auguste de Sait-Hilaire em sua peregrinação pela região, em 1820 esta tudo como no inicio, portante mais de 190 anos. Depois foi tudo queimado e predado.

Ariano Suassuna no Jô Soares